A saída de Teruel da pré-corrida eleitoral em Barueri

A saída de Teruel da pré-corrida eleitoral em Barueri

A caminhada política de quem pretende disputar as eleições como pré-candidato de oposição ao cargo de prefeito não será um trabalho fácil. Dos 11 municípios que fazem parte do Cioeste (consórcio de cidades da região), nove dos atuais prefeitos têm direito de disputar a reeleição. Apenas esse fato já configura uma larga vantagem aos atuais mandatários, sobretudo neste momento de pandemia, onde há possibilidade de maiores investimentos em saúde e maior exposição da maioria dos atuais prefeitos. 

Se no geral os candidatos de situação levam vantagem, particularmente em Barueri ela é ampliada com a desistência de Fabio Teruel, noticiada nesta quarta-feira (12). Ganhar eleição tendo como concorrente Rubens Furlan seria uma tarefa hercúlea muito difícil, mas não impossível caso o atual prefeito não dispute as eleições. 

De todo modo, Furlan teria a possibilidade de conquistar seu sexto mandato. O que se esperava no mínimo da pré-candidatura de Fábio Teruel era a criação ou o início de um processo da criação de uma nova força política de oposição na cidade. A pré-candidatura de Fábio Teruel facilmente será comparada ao comportamento do jogador de futebol Luan do Corinthians, que no domingo se recusou a bater um pênalti alegando contusão, porém o que todos sabem é que ele ficou com medo de perder. 

O problema não é bater o pênalti errado e sim você se colocar disposto no jogo e no momento que o time mais precisa do jogador ele refuga. Fábio Teruel se mostrava ou se apresentava como principal ator de oposição em Barueri. Agora, não poderá, sequer, se juntar ao Panteão daqueles que disputaram eleições em Barueri e perderam como Saulo Góes, João Picanha e Marcelo Barbará. 


Por Marcos Agostinho Silva 

Diretor do Instituto MAS Pesquisa. 

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. 

Feira Preta e Instituto Mas divulgam pesquisa de c...